Bem Vindo à Agência da Saúde - 17 de Maio de 2021 - 18:04

Nutrição

Qual o momento de oferecer comida ao bebê?

Saúde da Criança | 26/04/2021 09h 33min

Normalmente, quando se aproximam os seis meses do bebê, começa aquela ansiedade nos pais e mães: está chegando a hora da introdução alimentar. Introdução alimentar é a fase em que o bebê começa a receber a alimentação complementar ao leite materno.

Note que complementar é diferente de substituir, ou seja: os alimentos oferecidos neste momento não substituem a nutrição fornecida pelo leite materno (ou pela fórmula receitada pelo pediatra quando a amamentação não é possível), apenas complementam. Por isso, podemos dizer que o processo de introdução alimentar dura vários meses ou mais de um ano, conforme o ritmo da criança. E está tudo certo!

 

Segundo recomendações da Organização Mundial da Saúde (OMS), do Ministério da Saúde (MS) e da Sociedade Brasileira de Pediatria (SBP), entre outras organizações de saúde, a introdução alimentar deve ser iniciada no sexto mês de vida do bebê – desde que ele não tenha nascido prematuramente ou tenha outras questões de saúde que devem ser avaliadas pelo pediatra.

 

Mas o que fazer se a licença-maternidade acaba aos quatro meses de vida do bebê, dificultando o aleitamento materno exclusivo até os seis meses? Nesses casos, aconselha-se que o leite materno seja ordenhado e congelado para ser oferecido ao bebê em uma mamadeira ou copinho, conforme orientação do pediatra.

Vamos entender por quê?

Até os seis meses de idade, todos os nutrientes que o bebê precisa são fornecidos pelo leite materno – ou pela fórmula indicada pelo pediatra para casos de impossibilidade do aleitamento materno. Além disso, até os seis meses de idade, o organismo da maioria dos bebês ainda não está pronto para ingerir e digerir outros alimentos. Já reparou que, por reflexo, usam a língua para colocar para fora da boca qualquer coisa que não seja o seu leitinho já conhecido? Esse é o reflexo de protrusão, um dos sinais de que o bebê ainda não está preparado. Por volta dos seis meses, as enzimas digestivas e as bactérias intestinais já estão mais preparadas para proteger o bebê de possíveis infecções, os rins já estão mais preparados para eliminar maiores quantidades de sódio e o sistema imunológico já está pronto para entrar em contato com novos nutrientes e proteínas, reduzindo o risco de alergias alimentares. Vale a pena esperar, não é mesmo?

5 sinais de que o bebê está pronto para a introdução alimentar
Os sinais de que o bebê está pronto para experimentar outros alimentos além do leite materno costumam aparecer por volta dos seis meses de idade. Confira quais são:

  • Se interessa pelo que você come
  • Sustenta cabeça e tronco e consegue sentar sem apoio
  • Já segura objetos com as mãos
  • Já reduziu ou eliminou o reflexo de protrusão
  • Faz movimentos voluntários com a língua e com a boca, mostrando que está pronto para mastigar (mesmo que ainda não tenha dentes)
  • O bebê está pronto, demonstra muita curiosidade pelos alimentos dos adultos, estica as mãozinhas para pegar e imita os movimentos de mastigação. Vai ser um comilão, certo? Talvez sim, talvez não.

Ele vai experimentar uma sensação de textura e sabor completamente diferente do que estava acostumado até então. Alguns vão se adaptar e aceitar isso muito bem. Outros, vão precisar de mais tempo. Isso não precisa ser motivo de angústia. Lembre-se: a introdução alimentar é para apresentar uma nova forma de nutrir-se. Não necessariamente para oferecer toda a nutrição.

Cuidados especiais na introdução alimentar

  • Ofereça água para hidratar o bebê
  • Evite sucos de fruta: prefira as frutas in natura, que oferecem mais fibras e menos frutose
  • Prefira usar temperos naturais para evitar o excesso de sódio
  • Se oferecer ovos, atente-se para que estejam bem cozidos para evitar contaminação por bactérias
  • Evite acrescentar açúcar ou leite às papas para não interferir na aceitação de outros alimentos. O açúcar deve ser evitado até os dois anos de idade
  • O mel também deve ser evitado até um ano de idade. Antes disso, o sistema imunológico não está preparado para combater um tipo de bactéria comum no mel, a Clostridium botulinum, o que aumenta a chance de desenvolver botulismo infantil
  • Os alimentos podem ser apresentados na forma de papa, amassados com o garfo, ou ainda cozidos e picados para que a criança segure e experimente com as próprias mãos.
     

Fonte:   Sociedade Brasileira de Pediatria (SBP): Alimentaç

Veja também

Guia da Saúde

Encontre um profisional de saúde pela especialidade, nome ou cidade.